Programas sociais auxiliam jovens em Salvador

Posted on 15/10/2008 por

1


Os programas sociais são importantes para inserção dos jovens na sociedade

por Lívia Machado

Três projetos sociais diferentes, mas um objetivo em comum: oferecer oportunidades aos jovens em situação de risco social, por meio de cursos profissionalizantes e acompanhamento educacional. As organizações não- governamentais (ONG’s) Eletrocooperativa (Pelourinho), Ágata Esmeralda (Vale dos Lagos) e Kabum (Nordeste de Amaralina), trabalham com adolescentes de bairros periféricos de Salvador para incluí-los socialmente, formando cidadãos.

Tecnologia, arte digital e música. É apoiada nesses três pilares que a Eletrocooperativa atua desde 2003, em uma casa no Pelourinho, com a missão de amenizar a desigualdade social e formar jovens de 16 a 24 anos profissionalmente. Desde a criação da Ong foram inscritos mais de 600 jovens, mas a previsão é de que 800 estejam formados até o final deste ano. Eles desempenham atividades como: Dj’s, criação de jingles, trilhas, spots, sound design e mixagem. Como resultado, a organização tem formado produtores, músicos e Dj’s que já produziram 18 Cd’s e formaram cinco bandas.

De acordo com a coordenadora do projeto, Perpétua Guimarães, os jovens interessados em fazer parte da Eletrocoorporativa devem morar em bairros da periferia, além  de estarem estudando regularmente. A Ong costuma publicar os detalhes do processo seletivo no site oficial: eletrocooperativa.org.br.

Localizada no Vale dos Lagos, a Ong Ágata Esmeralda, nasceu na Itália, mas atua há 16 anos em Salvador, na região metropolitana e em alguns municípios do interior. O projeto busca promover e assegurar os direitos das crianças e adolescentes em situação de risco social. A Ong apóia 161 entidades, a exemplo de associações comunitárias, escolas e projetos de inclusão social, que atendem cerca de cinco mil jovens. 

A Kabum (Escola de Arte e Tecnologia de Salvador) é gerenciada pela Cipó, além de outros: Unesco, Instituto Telemar, Ação Social do Estado da Bahia e Secretaria do Trabalho. Neste projeto poderão participar jovens de 16 a 19 anos, de preferência que sejam moradores do subúrbio ferroviário e estejam cursando da sétima série do ensino fundamental ao 3º ano colegial. Assim, esses adolescentes estarão preparados para trabalhar em mídia educativa, comercial, artística e social.

Para o representante da Unicef na capital baiana, Rui Pavan, houve uma evolução no tratamento dado pelos adultos às crianças: “com o Estatuto da Criança e do Adolescente muita coisa mudou. Não existe mais maus tratos com os jovens em condição de rua, ao menos de forma explícita. Em 2008, técnicos municipais da saúde pública de Salvador foram capacitados para trabalhar como multiplicadores dos conteúdos do kit Família Brasileira Fortalecida (FBF). Trata-se de um conjunto de cinco cadernos ilustrados, desenvolvido pela UNICEF e parceiros, com orientações para as famílias cuidarem, protegerem e promoverem o desenvolvimento integral e integrado de crianças de 0 a 6 anos. Essa preparação integra o projeto Selo Unicef Município Aprovado.

De volta ao aniversário de implantação do ECA, Pavan comenta a importância dos meios de comunicação como fiscalizadores dos direitos das crianças e adolescentes: “ A mídia tem ajudado muito, porque era comum ver os jovens em capas de jornais envolvidos com o crime. Atualmente, podemos ver os rostos deles estampados em editorias como cultura, esportes e entretenimento” .

Atualmente, o Governo Federal promove um programa chamado Projovem destinado a pessoas entre 18 e 29 anos que não tenha concluído o ensino médio, mas que sejam alfabetizados. Os inscritos recebem uma bolsa auxílio no valor de R$ 100 reais mensais. Os interessados em participar poderão fazer a inscrição até o dia 30 de agosto. Basta ir em algumas das escolas conveniadas ao programa, apresentar documentos e preencher uma ficha. caso haja muita procura, os adolescentes deverão participar de uma seleção que irá investigar e comparar parâmetros, como residência, idade e arco profissionalizante.

Os cursos para se profissionalizar são: telemática, turismo e hospitalidade, construção e reparos, vestuários e alimentação. Ao final do programa os jovens estarão aptos para trabalhar em uma dessas áreas. O coordenador administrativo do programa Projovem, Antônio Mello, revela quais os benefícios: “Além da possibilidade que os jovens passam a obter com a conclusão do ensino fundamental, o programa de trabalho a partir da qualificação profissional, oferece bolsa auxílio de R$ 100 reais por mês, com a intenção de evitar a evasão”.

Salvador, já tem mais de oito mil inscritos para 4,8 mil nas vagas que serão oferecidas no mês de setembro. Em fevereiro de 2009 serão abertas 3,2 mil vagas e aqueles que não entraram, podem ter a esperança de serem chamados para a nova seleção. “Com este programa do Projovem, posso me inserir no mercado de trabalho futuramente. A bolsa auxílio é pouca, mas é apenas o início da minha jornada”, diz Robson Santos, 25 anos. Já para Francisco Silva, que espera ainda ser chamado e deseja ingressar no curso de Turismo e hospitalidade, diz: “Não custa nada tentar, o mercado pode estar cheio, mas tenho ainda esperança”.

Anúncios
Posted in: CIDADE