“Você liga a televisão ou o rádio e ouve uma musiquinha tentando vender uma cidade que não existe” (ACM Neto).

Posted on 17/09/2008 por

1



O deputado federal e candidato à prefeitura de Salvador pelo Partido dos Democratas (DEM-BA) analisa e aponta soluções para os principais desafios da capital baiana.

por Lise

Lise – A moradia é um problema de muitos bairros periféricos de Salvador, e Canabrava não escapa dele. Muitas famílias residem em casas feitas de tábua e sem fundação. Além disso, nenhuma casa possui o alvará da prefeitura. Quais os principais desafios da prefeitura de Salvador para amenizar a questão?

ACM Neto – A questão do ordenamento do solo em Salvador é gravíssima e acaba prejudicando principalmente a população mais pobre da cidade. É preciso criar uma política de moradia voltada para os bairros periféricos – e agregar a ela segurança, postos de saúde e escolas. O básico. A prefeitura tem que se fazer presente para ajudar os mais necessitados e isso não pode ficar só no discurso. Esta é a nossa luta.

Lise – A área de saúde também é problemática. As maiores queixas das moradoras são sobre a falta de profissionais de saúde que coloquem o D.I.U. e que realizem a cirurgia de ligadura das trompas e falta de ginecologistas. A assistência à saúde feminina é realizada pelos próprios médicos clínicos. Além disso, a prática de planejamento familiar ainda é deficiente, e cada vez mais jovens se tornam mães de mais de cinco filhos. Que tipo de administração o senhor pretende realizar nessa área?

ACM Neto – Este quadro é gravíssimo e atinge as mulheres mais jovens. O deputado federal Maurício Trindade, do Partido Republicano (PR-Ba), que está nos apoiando, é presidente da Frente Parlamentar de Planejamento Familiar. Ele já faz um trabalho abrangente na cidade. Mas precisamos ampliar adotando uma política de assistência a mulher. Mas o melhor tipo de planejamento familiar é a educação. Essa é uma das metas da política de saúde de qualquer administrador sério.


Lise – Desemprego é um problema nacional. A pesquisa de emprego e desemprego desse ano aponta uma redução significativa na taxa de desemprego em Salvador e região metropolitana. Mas, mesmo assim, estima-se que 369.000 pessoas estão desempregadas na cidade. Nos bairros citados, as atividades autônomas são as mais correntes. Quais os planos para reduzir essa quantidade ainda tão alarmante?

ACM Neto – O futuro prefeito só vai poder influenciar na questão do desemprego se mudar o perfil da cidade. Salvador vai precisar de investimentos externos, vai precisar de intervenções no centro e na periferia da cidade. Vai precisar de soluções novas e inteligentes. Estas mudanças na cidade vão atrair investimentos no setor de turismo, construção civil, etc, e conseqüentemente vão gerar mais empregos. Mas, para mudar é preciso ter um prefeito com credibilidade.


Lise – Em educação, a questão da merenda escolar ainda é um problema. Muitas creches chegam até mesmo a parar de funcionar por falta de verba para comprar alimentos. Na faculdade, fizemos uma campanha de arrecadação para uma creche que estava sem comida para as crianças. A evasão escolar é outro sintoma. Muitos alunos abandonam a sala de aula desde o ensino fundamental. O que a educação de Salvador precisa?

ACM Neto – Não só na educação, mas em todas as áreas, Salvador precisa de administração e competência e de menos propaganda. Não é admissível que a terceira maior capital do país deixe os meninos sem merenda escolar. Esta é a realidade. Eu tenho andado pelos bairros e vejo a falta de segurança, os meninos longe das escolas, as pessoas sendo carregadas em carrinhos de mão em busca de atendimento médico. Aí você liga a televisão ou o rádio e ouve uma musiquinha tentando vender uma cidade que não existe. È muita falta de sensibilidade humana e política.

Lise – Na área de segurança, a violência acompanha o dia-a-dia desses bairros. O tráfico impera e comanda até mesmo a vida familiar da população. Como controlar a ação do tráfico nessas regiões?

ACM Neto – Tenho recebido críticas de alguns candidatos por abordar a questão da segurança e ao mesmo tempo tenho recebido o apoio das pessoas nas ruas dizendo que não suportam mais o estado de violência em que vivem. Sei que a segurança é responsabilidade dos governos federal e estadual. Mas a Prefeitura também pode fazer a sua parte, porque a rua, a calçada são patrimônios da cidade e cabe ao prefeito zelar por ela. Se a administração municipal se omite, os bandidos se sentem à vontade para tomar o lugar do poder público. Aí ao invés de creches e escolas, as nossas crianças serão seduzidas pelo tráfico. Eu vou ter coragem de enfrentar o problema se for eleito. Podem cobrar.
Anúncios
Posted in: POLÍTICA